São José dos Campos recepciona a Semana da Enfermagem do Vale do Paraíba – Coren-SP

São José dos Campos recepciona a Semana da Enfermagem do Vale do Paraíba

A Semana da Enfermagem chegou ao Vale do Paraíba mais uma vez na sede da Univap (Universidade do Vale do Paraíba), em São José dos Campos. A primeira noite do evento, na última quarta-feira (17) contou com a mesa de abertura oficial, com debates atuais sobre a profissão e com momentos emocionantes de descontração.

Público assiste ao filme publicitário da campanha “Enfermagem Faz Parte da Vida”

 

Representantes da enfermagem paulista compuseram a mesa de abertura. Mauro Antônio Pires Dias da Silva, vice-presidente do Coren-SP, enalteceu a importância da presença política dos profissionais de enfermagem: “Em muitas escolhas do processo histórico da enfermagem no Brasil, não houve participação da categoria. Precisamos lutar pelo jogo democrático”.

Integrante da comissão organizadora do evento, a enfermeira Maria Helena Mandelbaum destacou a importância do engajamento das novas gerações de profissionais nas lutas. Osvaldo Huruta, secretário municipal de saúde de São José dos Campos, destacou a presença de profissionais de enfermagem entre cargos de chefia do município, como exemplo da competência e do potencial gestor da profissão.

Mesa de abertura do evento contou com representantes da enfermagem paulista

 

A tradicional homenagem a profissionais de enfermagem que se destacaram em sua trajetória na região contou com um curto e emocionante discurso da enfermeira Tizuko Sakata, com mais de 40 anos de profissão: “Viva a Enfermagem viva”.

Momentos de emoção e descontração: homenagem à enfermeira Tizuko Sakata e apresentação de coral

 

Mauro Silva voltou a tomar palavra na palestra “Enfermagem na linha de frente transformando o cuidado”, tema oficial da Semana da Enfermagem de 2017. Em sua fala, destacou a importância da representação política feminina (uma vez que mais de 80% dos profissionais do estado são mulheres) e a aliança entre amor e ciência para a execução de um trabalho com afeto, mas aliado a um indispensável estudo.

Ariadne Fonseca, representando a seção São Paulo da Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn-SP), abordou as boas práticas da enfermagem e a construção de uma sociedade democrática. “Se você ficasse doente, gostaria de ser cuidado por você mesmo? Se a gente escolheu cuidar dos outros, precisamos fazer isso da melhor maneira”, disse, levantando um debate de autocrítica.

Estudantes e professores da Univap prestigiaram o evento

 

Segundo dia

O segundo dia de atividades em São José dos Campos foi dedicado à troca de ideias e ao compartilhamento de experiências e casos de sucesso. 

Durante a miniconferência “A Sistematização da Assistência de Enfermagem e o protagonismo da categoria para as transformações no panorama de atenção à saúde”, gestores de serviços de enfermagem em São José dos Campos apresentaram experiências onde a aplicação da SAE teve impactos positivos e transformadores.

Lucimara Silva destacou a necessidade do embasamento científico na aplicação da SAE

A enfermeira Lucimara Aparecida da Silva, gestora da Santa Casa de Misericórdia de São José, destacou a necessidade do embasamento científico na hora de implantar a SAE: “A sistematização da assistência permite que melhoremos a prática assistencial com base no conhecimento, no pensamento. A implantação da SAE em nosso serviço foi uma fase de muito estudo”. Também palestrou na miniconferência a profissional Nelsina Benedita do Carmo.

O tema Práticas de Enfermagem e seu impacto nos diversos cenários da atenção à saúde na Região do Vale do Paraíba também foi debatido.

Especialista em Atendimento Pré-Hospitalar, o enfermeiro Rubens Gomes dos Santos falou sobre o processo de trabalho na área de urgência e emergência, na qual é fator primordial estar atualizado: “O pessoal do APH está sempre na vanguarda. Quando mudou a escala de Glasgow fomos os primeiros a acompanhar a mudança”, disse.


Palestrantes da miniconferência  ” Práticas de Enfermagem e seu impacto nos diversos cenários da atenção à saúde na Região do Vale do Paraíba também foi debatido”

Nilson Thiago Carvalho e Silva, gestor do Hospital 9 de Julho de São José dos Campos, destacou a necessidade da visão global por parte do profissional de enfermagem, que auxilia na avaliação de situações e a resolver problemas no dia a dia: “Não podemos olhar só pra frente, mas temos que enxergar os lados também. É importante que o profissional de enfermagem tenha uma visão holística”, destacou.

A atividade foi finalizada por Rivanda Toledo, enfermeira gestora e especialista em feridas, que falou sobre a gestão da saúde coletiva.

O evento em São José foi finalizado com as palestras especiais “Novos horizontes: diálogos entre a formação e a prática em novas áreas de atuação da enfermagem”, realizadas simultaneamente em três salas. 


O debate sobre a utilização de mídias sociais e novas tecnologias por profissionais de enfermagem…

O conselheiro Alessandro Correa da Rocha falou sobre a utilização de mídias sociais por profissionais de enfermagem, ao lado da advogada Luana Romani e das enfermeiras Adriana Gobato e Maria Cristina Pose Guerra. “Não existem artigos no código de ética que proíbam a utilização do celular ou das mídias sociais no ambiente de trabalho, porém existem situações problemáticas causadas pelo uso indevido dessas ferramentas, pois o nosso código prevê o sigilo profissional”, explicou. 

…que teve a participação do conselheiro Alessandro Rocha

Nas outras salas os debates foram sobre os temas “Estética”, com Maria Helena Mandelbaum, presidente da Sociedade Brasileira de Enfermagem em Dermatologia (Sobende); “Ambientes Disbáricos”, com Pablo Vinicius Santana da Silva e “Atuação em Catástrofes”, com Valdeir Rodrigues Vasconcelos.


Maria Helena Mandelbaum falou sobre enfermagem estética


Grupo de participantes do segundo dia do evento na Univap