Presidente do Coren-SP faz palestra sobre violência laboral na Santa Casa de Tietê – Coren-SP

Presidente do Coren-SP faz palestra sobre violência laboral na Santa Casa de Tietê

A violência contra profissionais de saúde é uma epidemia mundial. No Brasil, 77% dos profissionais de enfermagem afirmam ter sofrido algum tipo de agressão no ambiente profissional, de acordo com pesquisa realizada pelo Coren-SP em 2016. A autarquia está trabalhando para esclarecer os profissionais e a sociedade sobre este tema e, para isso, realiza palestras em instituições de todo o Estado.

Na última terça-feira (13/12), a presente Fabíola de Campos Braga Mattozinho fez uma palestra sobre o tema “Violência Laboral e Suas Consequências” na Santa Casa de Misericórdia  de Tietê. Ela mostrou aos profissionais de enfermagem da instituição alguns dados sobre a violência contra profissionais e orientou os trabalhadores sobre como reagir e proceder nesses casos. “O problema da violência contra profissionais de saúde é uma epidemia mundial. Nós deveríamos ter protocolos institucionais para seguir no caso de algum profissional ser agredido, como já ocorre nos Estados Unidos, por exemplo”, explicou.

 Campanha

O Coren-SP tem trabalhado ativamente no combate à violência contra profissionais de enfermagem no estado de São Paulo.

Além de participar de um Grupo de Trabalho (GT) da Secretaria de Segurança Pública para tratar o assunto, junto com o Cremesp, a autarquia lançou a campanha “Violência Não Resolve”, com o objetivo de conscientizar a sociedade.

Saiba mais sobre a campanha aqui.

Veja mais:

Violência contra profissionais de saúde é abordada em pesquisa

Médicos e enfermeiros fazem análise da violência contra profissionais de Saúde

Quase 80% dos enfermeiros de SP já sofreram agressão no trabalho

Cremesp e Coren-SP apresentam pesquisas inéditas que confirmam escalada da violência contra médicos e profissionais de enfermagem

77% dos profissionais de enfermagem são agredidos no ambiente de trabalho

Pesquisa: 77% dos enfermeiros de SP já sofreram violência