Paulínia sedia debates sobre ampliação de direitos e qualidade da assistência – Coren-SP

Paulínia sedia debates sobre ampliação de direitos e qualidade da assistência

A Câmara Municipal de Paulínia sediou, ontem (16), as atividades da Semana da Enfermagem 2016, promovida pelo Coren-SP, por meio da subseção de Campinas. O evento exaltou os avanços conquistados pelos profissionais da cidade e debateu temas como o aprimoramento da assistência, a qualidade da formação e os valores éticos da profissão.

Durante a abertura do evento, a presidente do Coren-SP, Fabíola de Campos Braga Mattozinho, fez uma reflexão sobre os avanços e novos desafios impostos à categoria. “É muito importante conhecermos nossa história para que possamos entender o presente e projetar mudanças para o futuro. Há desafios, mas há conquistas também. Passamos de um contexto de termos apenas deveres e evoluímos para um cenário de direitos, porém precisamos conhecê-los”, alerta.


Sandro Caprino, presidente da Câmara Municipal de Paulínia; Carolina Guerra, membro da comissão das 30 horas de Paulínia; a conselheira Ana Maria Donnabella; e a presidente do Coren-SP, Fabíola de Campos Braga Mattozinho

A presidente destacou o protagonismo da categoria em espaços de poder e gestão como o principal caminho para valorização da Enfermagem. “Temos uma formação que trabalha constantemente a questão técnico cientifica e social, mas precisamos cada vez mais estimular a dimensão ético política. Devemos nos inserir na construção de políticas públicas de saúde. Somos a maior categoria de trabalhadores da saúde no país e no estado, mas devemos sair da quantidade e mostrar o quanto temos qualidade”, incentiva.


Profª Drª enfermeira Maria Manuela Frederico Ferreira, de Portugal, abordou o tema Enfermagem nos caminhos da qualidade

Os profissionais de Enfermagem de Paulínia conquistaram a jornada de 30 horas semanais em 2014, quando a lei foi aprovada pela Câmara Municipal, após grande mobilização da categoria. “Muitos municípios nos questionam: como vocês conseguiram?E eu digo que isso se deve à união dos profissionais. A categoria estava unida e sabia o que queria, por isso as 30 horas foram um sucesso aqui. Agora eles estão  mais tranquilos para cuidar da nossa população”, afirma o presidente da Câmara Municipal de Paulínia, Sandro Caprino.

Mesmo com avanços significativos, como as 30 horas, a Enfermagem tem se deparado com novos desafios, entre eles a qualidade da formação, conforme o vice-presidente Mauro Antônio Pires Dias da Silva destacou em seu discurso. “É preocupante a quantidade de cursos que estão formando profissionais nos três níveis da Enfermagem, sem compromisso com a qualidade. O Coren-SP está lutando contra isso e cobrando que o MEC fiscalize essas universidades”, diz, apontando o exame de egressos como uma possível saída para não prejudicar qualidade da assistência. Ele também criticou  o ensino à distância.

Para Aracy Campos Furlan, chefe técnica da subseção de Campinas do Coren-SP, a abordagem dessa e de outras problemáticas transformou a atuação da autarquia. “Esse ano conseguimos dar mais visibilidade para a Semana da Enfermagem e a população teve a oportunidade de conhecer as diversas áreas de atuação da categoria. Hoje temos um outro Coren-SP e tenho orgulho de integrar essa equipe”, comemora.


O conselheiro Paulo Cobellis palestrou sobre os valores éticos no cuidado da Enfermagem

O Coren-SP apresentou o vídeo que produziu especialmente para a Semana da Enfermagem, com o tema “A Enfermagem faz a diferença’.

Assistência com qualidade

A coordenadora da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, em Portugal, Profª Drª Maria Manuela Frederico Ferreira, proporcionou uma experiência muito enriquecedora ao compartilhar seus conhecimentos sobre o tema “A Enfermagem no caminho da qualidade”.

Para ela, a formação adequada é premissa para a prestação de uma assistência ética e de qualidade ao usuário. “Sou contra a massificação da formação e em Portugal temos padrões rigorosos de avaliação e fiscalização da abertura de novos cursos”, expõe.

Maria Manuela também destacou a remuneração e jornada de trabalho como determinantes para a atuação da Enfermagem dentro dos padrões de qualidade. “Enfermeiros podem e devem desenvolver atividades em diversos campos, mas precisam ser remunerados em compatibilidade com aquilo que executam”, elogiando a conquista das 30 horas semanais em algumas cidades brasileiras. “Em Portugal tivemos um retrocesso, passando de 35 para 40 horas. A sobrecarga é inimiga da qualidade e do trabalho”, avalia.


A presidente do Coren-SP, Fabíola de Campos Braga Mattozinho, entre conselheiros, participantes e organizadores da Semana de Enfermagem 2016 de Campinas

 

Ética e Enfermagem

‘Os valores éticos no cuidado em Enfermagem’ foi tema da palestra do conselheiro Paulo Cobellis, que é coordenador da comissão de conselheiros representantes do Coren-SP junto às comissões de ética do Estado de São Paulo e coordenador do Grupo de Trabalho – Núcleo de Estudos em Ética Profissional.

Cobellis apresentou aos presentes o desafio dos profissionais de Enfermagem de pensar e sentir como o outro.  “Quando nos formamos como profissionais de Enfermagem a academia diz que estamos prontos dentro da categoria do minimamente. Mas estar pronto não pode se restringir ao ponto de vista técnico e científico, mas também do entender e compreender os fenômenos do mundo do trabalho da Enfermagem”, observa.

Legenda: Assessora da subseção de Campinas, Geowanna Higino; a coordenadora do curso de Enfermagem do Centro Universitário Hermínio Ometto, de Araras, Maria Giovana Saidel; a docente da Unicamp, Eliete Maria Silva; e a enfermeira e membro da comissão das 30 horas de Paulínia, Carolina Guerra.