Coren-SP promove Seminário de Práticas Assistenciais na Atenção Básica – Coren-SP

Coren-SP promove Seminário de Práticas Assistenciais na Atenção Básica

O Coren-SP Educação foi palco, terça-feira (19), do 1º Seminário de Práticas Assistenciais na Atenção Básica (PAAB), evento organizado pelo Grupo de Trabalho (GT) de Atenção Básica do Coren-SP, que é vinculado às Câmaras Técnicas da autarquia.

 
A presidente do Coren-SP, Fabíola de Campos Braga Mattozinho entre a enfermeira Patrícia Luna e a conselheira Marcília Bonacordi Gonçalves

“As Câmaras Técnicas têm a honra e a grata satisfação de proporcionar este momento para compartilharmos coletivamente”, disse a conselheira Marcília Bonacordi Gonçalves, coordenadora das Câmaras Técnicas, durante a abertura do encontro, que contou, ainda, com participação da presidente do Coren-SP, Fabíola de Campos Braga Mattozinho e da coordenadora do GT de Atenção Básica, enfermeira Patrícia Luna.


“Há muitas situações onde temos que nos manifestar, por isso precisamos entender a regulamentação da nossa profissão”, explicou a presidente do Coren-SP, Fabíola de Campos Braga Mattozinho

A programação da manhã começou com uma palestra da presidente do Coren-SP, moderada pelo conselheiro Paulo Cobellis Gomes, com o tema “O Sistema Cofen/Corens”. Fabíola destacou a importância de os profissionais conhecerem a legislação que regulamenta a Enfermagem.


A professora Fernanda Fugulim falou sobre o dimensionamento de pessoal de Enfermagem

A professora Fernanda Fugulim (USP) falou, ao lado das enfermeiras Luciana Patriota Gusmão e Daiana Bonfim, sobre o dimensionamento de pessoal de Enfermagem voltado à Atenção Básica. Ela destacou, entre outros tópicos, a necessidade dos profissionais utilizarem o bom senso na hora do cálculo de dimensionamento, devido à falta de um cálculo específico para a atenção básica, que varia de região para região.


A professora Eliete Maria Silva destacou a necessidade da Enfermagem enxergar a si mesma coletivamente e se aprimorar

Os trabalhos da parte da manhã foram encerrados com a mesa-redonda “A Enfermagem na Atenção Básica como Eixo Transversal de Assistência do Individual ao Coletivo”, moderada pela enfermeira Rosana Aparecida Garcia e que teve como participantes a enfermeira Jussara da Silva Miguel e a professora Eliete Maria Silva (Unicamp). Eliete destacou a necessidade de a Enfermagem enxergar a si mesma coletivamente e se aprimorar: “precisamos reconhecer quais são nossos desafios como classe profissional”, sugeriu.

No período da tarde, as discussões giraram em torno da segurança do paciente e do papel da equipe de Enfermagem na Atenção Básica. A professora do Centro Universitário Nove de Julho, Valnice de Oliveira Nogueira, falou sobre a administração de medicamentos e a necessidade de ações educativas para corrigir falhas e evitar erros. “Devem ser promovidas discussões estreitas dentro da equipe de Enfermagem para avaliar as questões do cotidiano relativas à administração de medicamentos “, recomendou.


A segurança do paciente, e em especial na administração de medicamentos, foi o ponto central da palestra da enfermeira Valnice Nogueira

O gerenciamento da Sala de Vacinas foi o tema abordado pela enfermeira Simone Sierra, chefe da Atenção Básica de São Bernardo do Campo. “Com nível de atenção de baixa complexidade, melhor custo e efetividade, a imunização tem grande impacto nas condições gerais de saúde da população infantil”, analisou, destacando a responsabilidade do enfermeiro na supervisão e capacitação dos profissionais que atuam nas salas de vacina.

A enfermeira Simone Sierra falou do trabalho na Sala de Vacina 

O atendimento de urgência e emergência na unidade básica foi discutido pela enfermeira Maísa Ferreira dos Santos, assistente técnica da secretaria municipal de Saúde de São Paulo. Ela defendeu a capacitação da equipe e a necessidade de integração com os subsistemas dentro da rede. “Temos que trabalhar como se fosse uma engrenagem, se não o nosso trabalho não vai funcionar”, pontuou.

Mediadora da mesa, a enfermeira Marisa Beraldo, membro do GT de Atenção Básica do Coren-SP, falou da necessidade de implementação do prontuário eletrônico para organização do sistema, e também da importância de discutir os erros. “Temos que aprender a registrar e discutir erros. Se a gente omite e esconde um do outro, seja o médico ou o enfermeiro, não vamos resolver o problema”, ressaltou.


A enfermeira Simone Gomide destacou o papel da equipe de Enfermagem

Na última etapa do seminário o papel da equipe de Enfermagem foi destacado pelas enfermeiras Ivonete de Cássia Barbosa, da Fiocruz e Simone Gomide, do Hospital Santa Marcelina e pelas auxiliares de Enfermagem Lucimar Vieira da Silva, do Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto e Maria Aparecida Barreto, do PSF da UBS Cidade Nova São Miguel.


Lucimar Vieira da Silva falou pelos auxiliares de Enfermagem no Seminário promovido pelo Coren-SP

“O vínculo que estabelecemos com a família tem um efeito extremamente positivo no trabalho de prevenção, pois ao entrarmos na cada das pessoas conquistamos a confiança e conseguimos quebrar resistências”, destacou a auxiliar de Enfermagem Lucimar Vieira da Silva.


Diretoria, conselheiros e membros do GT de Práticas Assistenciais na Atenção Básica durante encerramento do Seminário

A presidente Fabíola de Campos Braga Mattozinho encerrou o encontro agradecendo a participação dos profissionais. “Estamos unidos para protagonizar o trabalho da Enfermagem. Esta casa é de vocês. Sintam-se sempre bem-vindos”.