Coren-SP promove encontro sobre Enfermagem Forense – Coren-SP

Coren-SP promove encontro sobre Enfermagem Forense

O Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo promoveu, quarta e quinta-feira (31/8 e 1/9), o encontro “Enfermagem Forense: Possibilidades e Desafios”, realizado no auditório do Inrad (Instituto de Radiologia), numa parceria com o Hospital das Clínicas e com o Coren-PR. O evento teve como objetivo discutir esta nova área de atuação da Enfermagem, que embora reconhecida pelo Cofen desde 2011, ainda é pouco difundida no Brasil.

A presidente Fabíola Mattozinho durante a abertura oficial do encontro de Enfermagem Forense

O encontro foi aberto, oficialmente, na manhã de quinta-feira (1) porém, no dia anterior foram realizadas duas conferências pré-evento: “Violência doméstica e abuso sexual: atendimento às vítimas” e “Agressões contra os profissionais: discutindo estratégias de detecção e prevenção”. Nesta última, foram apresentados dados da pesquisa realizada pelo Coren-SP sobre a violência contra os profissionais de Enfermagem. Veja AQUI mais detalhes.

Fabíola destacou a importância do saber científico na melhoria da qualidade da assistência à saúde

Durante a cerimônia, a presidente do Coren-SP, Fabíola de Campos Braga Mattozinho, destacou a importância da troca de experiências para alavancar esta nova especialidade no estado de São Paulo e no País. “Este encontro é fruto de uma expectativa da categoria. Precisamos nos apropriar do tema, entender o contexto, para ampliar os horizontes e o cuidar científico, de forma solidária e humanizada”, explicou.

A ótica da interdisciplinaridade, do saber contínuo e coletivo também foram pontuados pela presidente Fabíola. “O nosso objetivo é único: trabalhar a melhor assistência à população, cada vez mais, com qualificação e conhecimento”, acrescentou.

O deputado estadual Carlos Neder, membro da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo

O deputado Carlos Neder, membro da Comissão de Saúde da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, admitiu que há uma verdadeira epidemia de violência no Brasil. “O Coren-SP está de parabéns por abrir espaço para um tema que precisa ser discutido e combatido de todas as formas”, disse, agradecendo o convite do Conselho.


A presidente do Coren-PR, Simone Peruzzo, destacou a importância da parceria com o Coren-SP

O encontro contou, ainda, com a presença da presidente do Coren-PR, Simone Peruzzo, do diretor da Divisão de Doenças Crônicas não Transmissíveis, Marco Antonio de Moraes, que representou, na ocasião, o secretário estadual de Saúde do Estado de São Paulo, David Uip e da enfermeira Solange Regina Giglioli Fusco, diretora de Enfermagem do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas. “Ao trazermos essa vivência e essa contribuição das enfermeiras que atuam nos EUA, por meio dessa parceria do Coren-PR com o Coren-SP, estamos somando esforços. É assim que crescemos, juntos”, destacou Simone.

Enfermagem Forense – Panorama Mundial
Há mais de 30 anos atuando como enfermeira forense nos Estados Unidos, a enfermeira Karen Beatriz Silva apresentou um panorama geral da Enfermagem Forense no Brasil. Lembrou que em 2005 a especialidade foi apresentada durante a Semana de Enfermagem da PUC-PR e que no mesmo ano a enfermeira Rita de Cássia Silva foi premiada pela IAFN – International Association of Forensic Nursin (Associação Internacional de Enfermeiros Forenses) pelo desenvolvimento de três projetos que tinham como base o uso da Enfermagem Forense no atendimento a vítimas de violência no Hospital Universitário de Cajuru (Curitiba-PR) e na especialização da Enfermagem de Emergência.

A enfermeira Karen Beatriz Silva traçou um panorama geral da Enfermagem Forense no Brasil

“O enfermeiro ganha respeito quando tem conhecimento científico e trabalha com empatia e compaixão. É preciso mudar a postura profissional, buscar conhecimento, se especializar. Quando você é bom no que faz, automaticamente, você é reconhecido”, analisou.

Enfermagem Psiquiátrica Forense: novo locus para as boas práticas de Enfermagem
A segunda mesa da manhã de quinta-feira (1) foi mediada pelo coordenador do GT de Saúde Mental do Coren-SP, João Fernando Marcolan, e além da enfermeira Karen contou com a participação do enfermeiro Rafael Braga Esteves, que falou um pouco da sua experiência durante intercâmbio realizado na Universidade de Alberta, no Canadá. 

A enfermeira Karen Beatriz Silva entre os enfermeiros Rafael Braga e João Fernando Marcolan

Rafael lembrou que o relatório mundial da OMS, de 2002, sobre Violência e Saúde, já alertava para as sérias consequências da violência – no curto e no longo prazo – e encorajava os membros a desenvolverem políticas e programas para o seu combate. Acrescentou ainda, que a Portaria Interministerial 288/2015 estabelece orientações para a organização e integração do atendimento às vítimas de violência sexual pelos profissionais de segurança pública e saúde, quanto à humanização do atendimento e ao registro de informações e coleta de vestígios. ”Temos que adaptar as competências dos profissionais à legislação do nosso País, que regulamenta o exercício da Enfermagem”, pontuou.

Marcolan falou da transversalidade da atuação da Saúde Mental e da importância da formação. “Precisamos de enfermeiros psiquiátricos bem formados. Eu só vou ter o reconhecimento do outro, da sociedade, se eu souber fazer e fizer bem”, ressaltou. A enfermeira Karen finalizou. “A especialização nos dá mais conhecimento e conhecimento é poder”.

Os trabalhos prosseguiram no período da tarde, com quatro mesas temáticas sobre a atuação prática do enfermeiro forense. Confira detalhes AQUI.